quarta-feira, 5 de julho de 2017

DEGENERAÇÕES DO PODER

“NÃO EXISTE NENHUMA VONTADE individual nem coletiva, nem tampouco poder humano algum CAPAZ DE FAZER COM QUE O ATO DE MATAR OUTRA PESSOA ou a si mesma DEIXE DE SER MAL E NÃO DEVA SER EVITADO. Não existe, tampouco, qualquer poder ou vontade humana capaz de fazer, por seu simples querer e decisão, com que o ato de matar uma pessoa se transmude de mal em bom e de proibido em preceituado ou simplesmente permitido. Da mesma forma, nem a decisão de uma pessoa, nem o acordo de uma assembleia pode, pelo simples querer individual ou coletivo, anular ou transformar a bondade ou maldade objetivas dos atos, nem, por conseguinte, intervir ou modificar, de modo algum, o sentido do preceito ou proibição”.
__________________

Ramón Maciá MANSO. “Las degeneraciones del poder frente ao aborto”, Verbo, Madri, ns. 215-1216, maio-junho de 1983, p. 524.

Nenhum comentário:

Postar um comentário